Team Talks: como o COVID-19 acelerou o banco digital

Desde que o mundo começou a criar regras de distanciamento social no início deste ano e as interações face a face tornaram-se uma memória distante, já que as pessoas ao redor do mundo tiveram que se isolar e ficar mais seguras em suas casas, o setor bancário percebeu mudanças rápidas no comportamento dos cliente e demanda crescente por serviços bancários digitais.

Embora o banco digital esteja em ascensão há algum tempo, a nova crise do coronavírus a acelerou, e os bancos que não estão se adaptando ao novo padrão estão perdendo o que antes eram “clientes fiéis” para concorrentes que podem prestar um melhor atendimento para atender às necessidades de seus clientes quando eles não puderem ir à sua agência principal.

Mas, neste mundo novo e remoto, não é suficiente que os bancos simplesmente tentem replicar serviços pessoais online, mas que os clientes exijam mais: eles querem tudo mais rápido e fácil de usar e exigem padrões mais elevados do que nunca em termos de segurança.

Pedimos ao nosso vice-presidente para a América do Norte, Ian Cunningham, e ao nosso diretor comercial do Brasil, Leandro Deffente, que compartilhassem suas percepções sobre o que a rápida mudança no comportamento do cliente e o movimento acelerado em direção ao banco digital significam para os bancos e como eles podem se adaptar.

Você pode ver o que eles falam sobre isso nos vídeos abaixo: